Passar para o Conteúdo Principal Top
Hoje
Máx C
Mín C

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

pesquisar

Estação de monitorização de Alverca


20140131165733954119_1_1024_2500A Câmara Municipal, em parceria com a CCDR-LVT, promoveu a instalação de uma Estação de Monitorização da Qualidade do Ar, no Jardim José Álvaro Vidal em Alverca, inserida na Rede Nacional de Monitorização da Qualidade do Ar.

Considera-se que a instalação deste equipamento – que entrou em funcionamento no final de 2008 – é de grande importância face à diversidade das fontes emissoras de poluentes atmosféricos presentes no concelho e/ou na sua envolvente, nomeadamente devido à existência de diversas unidades industriais e ao facto de ser atravessado pela A1 e EN10.

Os dados dos poluentes1 são medidos diariamente e disponibilizados no site da Agência Portuguesa de Ambiente, sob a forma de concentrações médias horárias e de um índice de qualidade do ar, sendo esta informação atualizada várias vezes ao dia.

1 Até agosto de 2012 monitorizou-se, nesta estação, os seguintes poluentes: monóxido de carbono, dióxido de enxofre, óxidos de azoto, ozono e partículas PM10. Após esta data e por indicação* da CCDR-LVT as medições de monóxido de carbono foram terminadas.

*”A estação urbana de fundo de Alverca, após uma reestruturação da rede da CCDR-LVT efetuada no âmbito da implementação do Decreto-lei 102/2010, de 23 de setembro, deixou de monitorizar o poluente monóxido de carbono (CO) em agosto de 2012, uma vez que este é um poluente cujas concentrações têm vindo a reduzir-se para níveis pouco significativos e que só faz sentido continuar a monitorizar este poluente em estações de tráfego.”.


6 de setembro’20 – Detetados níveis elevados de ozono


De acordo com Comunicado da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT) verificou-se, a 6 de setembro de 2020, no Concelho de Vila Franca de Xira, a ocorrência de níveis elevados de ozono, entre as 16h00m e as 17h00m, no valor de  192 µg/m.³

A exposição a este poluente afeta, essencialmente, as mucosas oculares e respiratórias, podendo o seu efeito manifestar-se através de sintomas como tosse, dores de cabeça, dores no peito, falta de ar e irritações nos olhos.

Mais informações podem ser consultadas no site da Agência Portuguesa do Ambiente e da Direção-Geral de Saúde.